A Tecnovia-Açores vai passar a gerir os estaleiros navais da Madalena do Pico, na sequência de um contrato de concessão do espaço assinado entre a administração da empresa e o Governo dos Açores.

“O objetivo destes estaleiros é o desenvolvimento de atividades que hoje ou não existem ou são insuficientes”, explicou aos jornalistas, João Costa, administrador da Tecnovia-Açores, após a cerimónia de assinatura do contrato de concessão, a última iniciativa integrada na visita do executivo açoriano à ilha do Pico.

O administrador da Tecnovia disse que pretende dinamizar os estaleiros, criando condições para receber embarcações que atualmente não vão para aquele espaço, quer provenientes da região, quer de fora.

“Embarcações de recreio náutico e não só”, indicou João Costa, adiantando que a empresa vai agora “estudar em pormenor” a forma de captar mais movimento para os estaleiros, admitindo a possibilidade, por exemplo, de reforçar a capacidade de varar navios, que atualmente se situa nas 300 toneladas.

João Costa adiantou que pretende reforçar o quadro de pessoal dos estaleiros, recorrendo a mão-de-obra local, mas também a mão-de-obra especializada, vinda do continente.

O contrato de concessão assinado entre a Tecnovia e o Governo Regional, efetuado através da alienação da empresa pública Naval Canal, terá uma duração de 23 anos.

Antes da assinatura do contrato, o executivo liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, apresentou o projeto da futura variante à vila da Madalena, uma obra que irá custar mais de seis milhões de euros.

A nova estrada a construir pela região, irá atravessar a zona alta da vila, juntando três estradas regionais e três estradas municipais e pretende afastar o trânsito do centro da localidade.

O presidente do Governo justifica a medida com o “crescimento económico e demográfico do concelho” da Madalena, o único que aumentou de população nos Açores, de acordo com os últimos Censos.

A futura variante à vila da Madalena, financiada pelo PRR, só deverá estar pronta em 2025.

Lusa/AM | Foto: GOV