A Rússia acusou a Polónia de ser uma fonte de ameaça à integridade territorial da Ucrânia, retomando alertas dos serviços de informações russos sobre alegados planos secretos de Varsóvia para anexar regiões ocidentais ucranianas.

“Nos últimos meses, ouvimos da Polónia uma retórica muito hostil, que tradicionalmente não tem sido amigável”, disse o porta-voz do Kremlin (Presidência russa), Dmitri Peskov, citado pela agência espanhola EFE, quando questionado sobre alegadas reivindicações polacas em relação à Ucrânia.

Segundo Peskov, é um “facto óbvio” que as ameaças à integridade territorial da Ucrânia “podem vir da Polónia”.

Peskov recusou-se a comentar declarações do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, de que Rússia, Ucrânia e Bielorrússia poderão, mais cedo ou mais tarde, ser forçadas a lutar em conjunto para impedir a Polónia de tentar controlar a Ucrânia ocidental.

O porta-voz do Kremlin remeteu para declarações recentes do diretor do Serviço de Informações Externas russo (conhecido pela sigla SVR), Serguei Naryshkin, sobre alegados planos dos Estados Unidos e da Polónia para Varsóvia controlar parte da Ucrânia.

“De acordo com informações recebidas pelo Serviço de Informações Externas, Washington e Varsóvia estão a trabalhar em planos para estabelecer um apertado controlo militar e político da Polónia sobre os seus bens históricos na Ucrânia”, disse Naryshkin, em 28 de abril, citado pela agência russa TASS.

“Estamos a falar de uma tentativa de repetir o ‘acordo’ histórico para a Polónia após a Primeira Guerra Mundial [1914-1918]”, referiu.

Na altura, segundo Naryshkin, as potências ocidentais reconheceram o direito da Polónia de ocupar parte da Ucrânia para proteger a população da “ameaça bolchevique” e, depois, a inclusão destes territórios na composição do Estado polaco.

O diretor do SVR disse que a primeira fase da “reunificação” passaria pela entrada de tropas polacas nas regiões ocidentais da Ucrânia para as “proteger da agressão russa”, decorrente da “operação militar especial” em curso desde 24 de fevereiro.

“O chamado contingente de manutenção da paz está planeado para ser destacado para as partes da Ucrânia onde a ameaça de confronto direto com as Forças Armadas da Federação Russa é mínima”, afirmou.

Naryshkin acrescentou então, segundo a TASS, que a Polónia acredita num “elevado grau de probabilidade” de o seu plano conduzir a uma cisão na Ucrânia.

Lusa/AM| Foto: EPA