A Escola do Mar dos Açores (EMA), inaugurada há dois anos, na Horta, aguarda ainda pela conclusão do processo de certificação como entidade formadora, admitiu a tutela, assegurando que no “curto prazo” o problema deverá ser ultrapassado.

“Estes processos de certificação são morosos, mas já tivemos a visita da DGRM [Direção Geral do dos Recursos Naturais Segurança e Serviços Marítimos] e, portanto, está tudo bem encaminhado para, no curso prazo, termos esse problema ultrapassado”, garantiu hoje o secretário Regional do Mar e das Pescas, Manuel São João, durante a cerimónia comemorativa do 2.º aniversário da Escola do Mar.

O governante lembrou que a Escola do Mar dos Açores já concluiu a certificação ISO 9001 (sistema internacional de gestão de qualidade criado pela Internacional Organization for Standardization), e que aguarda agora para ser reconhecida como entidade formadora.

O titular da pasta do Mar nos Açores recordou que, quando o atual Governo de coligação (PSD, CDS/PP e PPM) tomou posse, a EMA não tinha ainda licenciamento, nem certificação, salientando o trabalho já efetuado pelo executivo na criação do parque de limitação de avarias (PLA), entretanto inaugurado.

“Para os mais distraídos, lembrava o trabalho feito no PLA, assim como no núcleo situado no porto da Horta, que será uma mais-valia para a escola, e também o processo de qualificação de quatro imóveis cedidos pela Marinha, que servirão para habitação dos estudantes e formadores que aqui se deslocarem”, sublinhou Manuel São João.

Apesar de o processo de certificação da Escola do Mar dos Açores não estar ainda concluído, o estabelecimento de ensino profissional já realizou três dezenas de ações de formação, abrangendo mais de um milhar de profissionais marítimos, desde a sua inauguração, a 31 de julho de 2020.

“Já conseguimos dar resposta de qualificação, através de 30 ações de formação de curta duração, para mais de mil profissionais”, lembrou Sandro Jorge, diretor da EMA, admitindo que “essa mudança silenciosa” não é do conhecimento do público, que pensa que a escola tem apenas uma vertente de formação, quando, na realidade, aposta também na qualificação e requalificação dos homens do mar.

O diretor da EMA disse também esperar que a escola ganhe “outro ritmo” de formação quando forem homologadas, a nível nacional, as novas áreas de formação previstas no futuro regime jurídico para os profissionais marítimos, que está a ser preparado pelo Governo da República.

A Escola do Mar dos Açores, situada nas antigas instalações da Rádio Naval da Horta, custou cerca de sete milhões de euros e foi inaugurada há precisamente dois anos pelo então Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos.

Lusa/AM | Foto: DR